Au Pair na Islândia! 🇮🇸

Olá leitorxs

Como estão?

Vocês já pensaram em ser au pair na Islândia? Por muito tempo eu nunca tinha nem sonhado que essa possibilidade existia… até que eu fui pra lá numa viagem super bate e volta e me apaixonei perdidamente pelo país! Então resolvi dar uma pesquisada pra saber se rolava e foi aí que eu achei a maravilhosa da Duda Louize que não só é au pair na Islândia mas fez um canal no Youtube pra divulgar o programa no país e ainda tirou um tempinho do seu dia pra vir conversar com a gente e responder todas as nossas perguntas!

Pra ser au pair na Islândia você não precisa falar islandês. Para os demais requisitos, segue a gente aqui no Insta

Se você ainda não escutou o episódio, aqui vão os links pra ouvir no…

Spotify: http://bit.ly/3EGlBqM
YouTube: https://youtu.be/vS89NNUEEHs
Apple Podcasts: https://bit.ly/3AOoeWk
Google Podcasts: https://bit.ly/3ijgKUE
Amazon Music: https://bit.ly/3VbtPy9
Deezer: https://bit.ly/3GPF4aZ
Anchor FM: http://anchor.fm/comofacopraseraupair

E não se esqueçam de seguir a Duda pra acompanhar a saga auperiana gelada dela aqui pelo IG ou pelo YouTube!

O que perguntar pra família na hora da entrevista? Segue a lista!

Tópico importante, gente! Afinal, na hora de conversar com as famílias, não são só elas que estão te entrevistando…você também faz parte dessa escolha de match e não só vai ser mais fácil tomar essa decisão quando tiver mais informações como vai te ajudar a evitar possíveis perrengues!

No episódio de hoje do nosso podcast Como Faço Pra Ser Au Pair? contamos de novo com a ilustríssima presença da Carol Simoni do podcast Casos de Au Pair. Mais uma vez ela veio dar as melhores dicas – sinceramente, ela procurando família foi o total oposto de mim! Eu só queria ir e mal conversei com as famílias…dei muita sorte de ter caído com gente legal mas poderia ter dado muito errado. Aliás, a minha primeiríssima família não deu certo! Em 1 mês já estava procurando a nova… de lá foi mais tranquilo. Rolaram perrenguinhos? Óbvio! Nenhuma família é perfeita, nós não somos perfeitas e eu ainda fui super nova… mas tudo bem, assunto pra outro dia.

A Carol foi super objetiva na hora de procurar famílias e por isso a convidamos pra voltar e bater esse papo com a gente. Se você não ouviu o nosso podcast ainda, segue os links:

Spotify / YouTube / Apple Podcasts / Google Podcasts / Amazon Music / Deezer / Anchor FM

O podcast maravilhoso da Carol, Casos de Au Pair, você encontra por aqui:

Spotify / Apple Podcasts / YouTube / Anchor FM

E, como prometido, aqui vai um listão com várias perguntas que você pode fazer pra família em português mas desse lá no final pra achar um presentinho…

Sobre as crianças e o trabalho

Perguntas sobre as crianças são essenciais, afinal, o seu trabalho vai ser cuidar delas! Então é importante saber pelo menos um pouco sobre a rotina delas, as personalidades, o que gostam e não gostam de fazer, comer, etc.

  • Como é a rotina da au pair com as crianças? As crianças vão à escola? Fazem alguma atividade fora da escola? E nas férias, como fica? 
  • O que as crianças gostam de fazer/brincar? Eles podem assistir TV?
  • O que as crianças gostam de comer? Elas têm alguma particularidade em relação à comida
  • Como são as personalidades das crianças? 
  • Como você lida com a criança se ela faz algo errado? Se eu falar não para alguma coisa ou colocar de castigo (se a família disser que ok), vocês vão me dar suporte?
  • As crianças têm algum problema de saúde física ou mental? Alergias?
  • O que vocês esperam da au pair? Uma ajuda extra, uma irmã mais velha ou uma educadora que vai entreter 24 horas por dia?
  • Vocês têm uma rotina diária pra au pair seguir?

Sobre a família

Outro ponto super importante é saber como a família funciona pra saber como você vai se encaixar. Pessoalmente, eu, Livia, não acho que você tem que encontrar uma família que seja igual a você. Na Alemanha, por exemplo, a minha host family adorava correr, passar tempo na natureza…a galera na Europa adora uma trilha! E, sinceramente, eu que sempre fiquei enfurnada em casa no Brasil com os meus CDs (!), televisão e computador acabei descobrindo não só um amor pela natureza que não sabia que tinhas mas também os benefícios de se passar mais tempo ao ar livre mesmo que fazendo só uma caminhadinha leve ou deitada na grama lendo um livro!

E faça questão de conversar com todo! Se a família for um pai e uma mãe, dois pais, duas mães.. o que for! Fale com todo mundo, tente saber pelo menos um pouco de cada porque você vai morar com toda aquela galera! Imagina se você bate o maior papo com um deles, se apaixona e chegando lá a outra metade é sem noção?!

A família tem adolescente que não vai ser sua responsabilidade? Bom saber um pouco sobre eles também…

  • Quais são os hobbies da família? Como são os finais de semana?
  • A família é religiosa? Caso seja, qual religião? Praticante? 
  • A família costuma viajar? Leva a au pair? Se a au pair for, como seria o horário de trabalho? Ela vai ter um quarto próprio? (falamos um pouco disso mais abaixo, mas confira se a viagem conta como seu tempo livre ou não! Algumas famílias acham que porque estão te levando para a viagem, você deve contar como seus dias de férias)
  • A família recebe parentes e amigos frequentemente?
  • Costumes alimentares? A au pair come com a família? A au pair pode colocar coisas na lista de compras? 
  • Terei que fazer algum trabalho doméstico? Vocês têm faxineira? (Alguns trabalhos domésticos leves são até parte do programa em vários países mas, caso não seja, lembre-se que você vai morar na casa também, então não torça o nariz se a família esperar que vc ajude nas coisas básicas como por exemplo, lavar a louça, arrumar seu quarto, ajudar a arrumar o quarto das crianças, etc. Afinal, você morar lá e não ir como visita!)
  • Tem algum animal de estimação? Caso sim, vai ser minha responsabilidade também?
  • Pedir fotos do quarto/casa. Vou ter o próprio banheiro ou vou ter que dividir? 
  • Vocês já tiveram outras au pairs? Como era a relação dela com as crianças? Posso conversar com ela pra saber mais sobre o dia a dia?

Sobre a cidade

Esse ponto pode não ser tão importante na hora da entrevista porque hoje em dia a internet tem tudo, né? Google Maps tá aí pra isso… mas tem coisas que talvez sejam mais fáceis de descobrir certinho pela família. O tamanho da cidade, por exemplo, pesou pra Cinthia mais do que pra mim. Ela não tinha muito transporte disponível, principalmente aos domingos, então isso foi um perrenguinho, já pra mim foi ok pois tinhas mais opções. Por mais que quisesse morar em cidade grande (já que vinha de cidade pequena!), a minha vilazinha na Alemanha era super fofa e curti morar lá! De qualquer forma, tanto a Cinthia como eu e a nossa querida convidada Carol concordamos: o mais importante é escolher a família certa, mesmo que o lugar não seja o seu preferido.

  • Qual é o tamanho da cidade?
  • O curso de idioma é perto?
  • Existe transporte público de fácil acesso? A família dá o cartão de transporte? (dá pra negociar? Essa é mais pros países europeus…nos EUA, principalmente em cidades menores, é mais comum andar de carro pois o transporte público não é dos melhores)
  • A cidade é tranquila para andar sozinha? Em qualquer horário?
  • A família paga o curso de idioma? (caso não esteja incluído nas regras do programa como em certos países)
  • A família conhece outras com au pair na área? Ou outras pessoas na faixa etária para apresentar?

Sobre o tempo livre

Por último mas tão importante quanto o restante, perguntas sobre o seu tempo livre. Afinal, ninguém vai ser au pair só porque quer cuidar de criança, né? O objetivo comum (não querendo generalizar) é morar no exterior, vivenciar nova cultura, conhecer outras pessoas, viajar e afins, então é bom saber como e quando isso vai poder ser feito!

  • Qual seria o horário de trabalho? Seria algo fixo ou flexível?
  • Quais as horas livres? 
  • Tem algum problema com a au pair dormindo fora / viajando nas horas livres? (dica nossa: esse intercâmbio é uma forma barata pra nós viajarmos. Se for pra ficar trancada em casa, preferiria fazer outra coisa!)
  • Se a família sair de férias e dar opção da au pair de ir junto, isso é considerado férias também?
  • O que vocês esperam da au pair nas horas livres? (a grande bolada é aquela família que tá ok com você fazendo o que tiver afim mas também te deixando a vontade pra passar tempo com eles dentro e fora da casa)
  • Posso receber visitas? Por exemplo, se alguma amiga/au pair que mora em outra cidade quiser passar o fim de semana, pode? 
  • Tem carro disponível para a au pair? Caso sim, está disponível sempre ou só em certos horários? Pode usar pra viajar ou só pelas redondezas? A gasolina fica por minha conta? (essa aqui é mais pros EUA. Na Europa as au pairs não costumam andar de carro e é ok, principalmente se a família pagar o passe de transporte)
  • A au pair tem horário pra voltar pra casa durante a semana/fim de semana? (curfew)

Só pra gente frisar mais uma vez: não existe família perfeita, lugar perfeito, au pair perfeita. Se você ficar se preocupando muito com cada detalhe pode acabar perdendo oportunidades de vivenciar coisas novas!

Isso aqui é mais um guia pra você pensar “o que pra mim não rola de jeito nenhum e o que eu prefiro de um jeito mas tá ok se for de outro?”

Escuta lá o nosso episódio sobre essas conversas com famílias pra descobrir os macetes da Carol e fazer a escolha certa pra você.

E aqui de brinde como prometemos vai a lista com todas essas perguntas em inglês!

*BAIXE AQUI A SUA LISTA EM INGLÊS*

Rotina de au pair na Alemanha

Oi pessoal!

Estou aqui hoje para falar sobre a minha rotina quando eu fui Au Pair.

Como eu já disse em algum episódio do nosso podcast, eu precisei fazer alguns ajustes para fazer meu ano de Au Pair dar certo.

Eu fui a primeira Au Pair da família (e depois de mim eles tiveram outras!) então não sabíamos muito bem como ajustar a nossa rotina e o que funcionava para ambas as partes. Fomos descobrindo com o passar dos meses.

Eu cuidava de dois meninos, um de 2 anos e um de 4 anos. O de 4 anos ia para a creche durante o dia (9 as 3) mas o mais novo ficava comigo o dia todo. Como o pai também ficava em casa o dia todo, eu meio que me sentia na obrigação de passar o dia todo com eles. O que acabou me sobrecarregando. Depois de alguns meses, eu me via com crianças de 8 até as 5 – o que era muito mais que as 6 horas diárias (30 horas por semana) que o contrato dizia e sem muito tempo para mim.

Quando eu percebi que isso estava me incomodando, resolvi conversar com a família. Falei que eu precisava de uma rotina mais específica para poder calcular e planejar meu tempo livre melhor. Foi, sem sombra de dúvidas, a melhor coisa que eu fiz naquele ano. A rotina ficou mais ou menos assim:

Meu trabalho era de segunda a sexta, 6 horas por dia e eu tinha todos os finais de semana livres. Essa rotina foi fechada assim porque meu objetivo era ter os finais de semana livres para viajar e o objetivo da família era ter ajuda durante a semana.

Eu começava às 8 horas, ajudava no café da manhã, a trocar os meninos e levar o maior para a escola.

Voltava e ficava com o menor até 11 horas.

De 11 até 2 da tarde tinha livre para fazer minhas coisas.

Voltava e ficava com o menor até as 3, buscava o maior na escola e ficava com eles até as 5.

Resumindo, 6 horas diárias.

8 as 11 – 3 horas

2 as 5 – 3 horas

Mas isso era bem flexível. Por exemplo, na segunda eu começava às 9 e na sexta eu saia às 4. Então eu compensava sempre essas horas ajudando com algum trabalho doméstico, como arrumar a casa, o quarto dos meninos, passar aspirador, guardar as roupas (na hora do almoço), sair com a cachorra – sempre nessa janela do horário de almoço. 

Minha dica é: Sempre converse com a família se algo está incomodando e tente sempre ser flexível, já que a flexibilidade tem que ser dos dois lados. Foi um pequeno ajuste que fez meu ano ser um sucesso! 

Se quiser saber mais detalhes sobre o meu ano de au pair na Alemanha, escuta lá os episódios Faça o que eu digo, não faça o que faço (partes I e II) do nosso podcast Como Faço Pra Ser Au Pair.

O podcast você encontra no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon, Deezer, Anchor e até no YouTube!

Boa sorte e um bom ano de Au Pair!

Cinthia

Como Faço Pra Ser Au Pair? podcast – episódio 2

Olá queridos leitores

Como fazemos agora toda 5a feira, estamos aqui pra te contar que o novo episódio do nosso podcast Como Faço Pra Ser Au Pair já está no ar!

No episódio de hoje, chamado “Faça o que eu digo, não faça o que faço” 😅, nós contamos como foi chegar nos países onde fomos au pair, as primeiras impressões, como foi conhecer as famílias e até os perrenguinhos iniciais que vêm com umas dicas pra você evitá-los.

Como sempre, você pode encontrar o nosso podcast aqui:

Spotify

Apple Podcasts

Google Podcasts

Anchor FM

e agora também no nosso canal do YouTube! Já se inscreveu nele?

Também estamos no Instagram, onde começamos a postar dicas e trechos do nosso podcast, no Facebook e no Twitter.

Mein Deutsch ist kaputt – aprendendo alemão

E aí, galera, tudo bem?

Tudo, né? Porque vocês não estão estudando alemão! Senão estariam com a cabeça explodindo e saindo fumaça! Que língua…

Mas não se desespere…estamos aqui pra ajudar trazendo um post confuso e trilingue.

Português não é lá uma língua fácil mas tá, aprendemos por bem ou por mal. Inglês não é tão difícil e, em um país tão americanizado como o nosso, somos constantemente expostos à 3a língua mais falada no mundo (sim, 3a. A 1a é Chinês e 2a Espanhol – onde será que entra o Portuñol?!) querendo ou não. E tal exposição da uma ajudinha na hora de aprender pra valer.

Agora, e se você não quer nada com o Inglês, seu negócio é aprender Francês além do “Voulez-vous coucher avec moi ce soir?” (você quer dormir comigo esta noite?)?

Bom, também não podemos te ajudar porque viemos falar de alemão…não, não, brincadeira. Vai lendo aí que esse post vai te dar um empurrão pra aprender qualquer idioma!

Lembra da Solange do BBB de sei lá quando cantando várias músicas em Solangês (aquele inglês adaptado) sem se importar se estava certo ou errado? E se você parasse pra descobrir sobre o que está cantando? No final de 2004 – como assim já tem quase 13 anos???!!! – o meu ano de au pair nos EUA estava quase acabando e eu decidi que não queria voltar pra minha vida de Brasil e que iria pra Europa. Comecei a pesquisar quais países ofereciam visto de au pair para brasileiros e acabei optando por França ou Alemanha. Conversa (online), conversa vem, aconteceu Alemanha. Mas tinha um porém: o pedido de visto vinha acompanhado de uma entrevista pois você precisava mostrar conhecimento básico de alemão e até então eu não falava nem “hallo”.

Fui no bom e velho Orkut e entrei na comunidade Au Pairs in Deutschland onde conheci mais um monte de meninas e meninos que estavam se preparando pra ir pra Batatolândia também. Uma delas foi a minha fiel escudeira, Cinthia, que acabou ficando pelo velho continente também, e a Miche, que voltou pro Canadá querido dela.

Como nós tínhamos muito tempo pra fazer tricô, começamos a pesquisar filmes e bandas alemãs pra ver se conseguíamos aprender alguma coisa. E foi aí que começamos a nos apaixonar pela música…

– Mas você falou que esse post era trilingue…até então é todo tupiniquim…¿que pasa?

Então…é que eu tenho um blog de música em inglês e, recentemente, escrevi sobre a tal música alemã e fiz uma playlist com várias!

Clique aqui para achar a playlist!

Me lembrei da época que estava aprendendo o bendito idioma e como aquelas canções me ajudaram e achei legal dividir com vocês…

O texto tá em inglês, então serve pra matar dois coelhos! Mas se você não tiver interesse mesmo na língua da tia Beth, é só descer um pouco e a playlist tá lá!

E isso serve pra qualquer língua! Aliás, se alguém quiser recomendações de músicas em Francês, Sueco, Espanhol e Italiano, também tenho…pra quem quiser só Inglês mesmo, tenho milhares!! Segue lá a página Made You a Mixtape que sempre mando sugestões!

E hoje em dia existem muito mais opções na internet pra aprender idiomas…me despeço com mais uma dica: o aplicativo Duolingo. Baixa lá e experimenta!